PEA – 2011

EMEF “PRES. CAMPOS SALLES”

PEA 2011

“ Cidadania uma questão de sobrevivência”                  FASE I”

Projeto Especial de Ação – PEA –    Portaria 1.566, de 18/03/2008.

Unidade Educacional :

EMEF PRESIDENTE CAMPOS SALLES                       Ano letivo: 2011

Denominação do Projeto:  “CIDADANIA UMA QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA  – FASE I”

Modalidade : (Inciso II do  artigo 2º da Portaria – 1.566, de 18/03/2008 – articulação das diferentes atividades e/ ou projetos que integram o Projeto Político Pedagógico)

Período de realização :  22 de fevereiro a 15 de dezembro.

Coordenação :  Ana Maria Correia de Carvalho Nogueira RF: 552.851.8/2 e Amélia Arrabal Fernandez RF: 315.830.6/6

I -Justificativa e articulação com o Projeto Pedagógico:
  • Em 2006 as disciplinas foram agrupadas por áreas de conhecimento, com o objetivo de propiciar uma maior integração entre as áreas e entre os professores, mas percebeu-se que mesmo com esse trabalho não houve uma integração propriamente dita, pois cada professor sozinho fazia o que queria em sala de aula.

No final de 2007 as paredes físicas foram derrubadas com o propósito de se realizar uma maior integração e articulação entre os      professores dos salões e entre as áreas do conhecimento.

Percebe-se ainda a necessidade de mudança de atitudes, de formas de pensar. O professor deve  ser desafiado a assumir uma postura de                        aprendiz/pesquisador, que compartilha com seus pares,alunos e com a comunidade em geral, que busca saberes e a construção de redes de conhecimento, com vistas a resolver problemas do contexto e melhorar a qualidade de vida.

  • Maior integração e articulação entre as áreas do conhecimento e as disciplinas, garantindo qualidade na produção dos roteiros.
  • Propiciar uma maior concretização/vivência dos dispositivos pedagógicos, articulados aos cincos princípios (Tudo passa pela Educação, A escola como centro de liderança, Solidariedade, Responsabilidade e Autonomia).

  • Prevenir o dano ao ambiente focando em um trabalho socioambiental, no qual insere o sujeito na ação, interagindo, se envolvendo e formando conceitos, atitudes e comportamentos que possam ajudar a tomar decisões e fazer opções de vida pessoal e da comunidade; aprimorando relações das pessoas entre si e com o meio ambiente.

II – ENVOLVIDOS: coordenação e participantes

(dias e horários da realização das atividades)

GRUPO I   :    terças e quintas feiras – 12:35 h às 13:35 h

GRUPO II :    terças e quintas-feiras – 17:15 h às 18:45 h

GRUPO III :   terças e quintas-feiras – 18:45 às 20:15

Cargo/Função Nome R.F Jornada NºHs Atividades 

e/ ou nº TEX

GRUPO Assinatura
Prof.Ed. Inf..Fund.I Gislene da Costa Esteves 613.040.2/2 JEIF I
Prof..Fund.II e Med. Ciências Sandra Iara de A. Gabriel Cairo 642.535.6/2 JEIF

I

Prof..Fund.II e Med. Matematica Márcia S. Quinzani 676186.1/1 JEIF I
Prof..Fund.II e Med. Português Maria Helena B.de Lima 692.770.0/1 JEIF I
Prof..Fund.II e Med. Ciências Mara Lúcia de Nápoles 666.335.4/1 JEIF I
Prof..Fund.II e Med. História Marcolândio Gurgel Praxedes 725.637.0/1 JEIF I
Prof..Fund.II e Med. Português Monalisa Cassis 748.777.1/1 JEIF I
Prof..Fund.II e Med. Ed. Física Cláudia Catarina Pellin 734.598.4/1 JEIF I
Prof.Ed. Inf..Fund.I Regina Ferreira Lopes 754.272.1/1 JEIF I
Prof.Ed. Inf..Fund.I Marinalva da Conceição Santos 776.806.1/1 JBD 4 I
Prof.Ed. Inf..Fund.I Cássia Regina Ketelhut Jordão 597.095.4/2 JEIF I
Prof.Ed. Inf..Fund.I Simone Pereira Baliéiro 780.589.6/1 JEIF I
Prof.Ed. Inf..Fund.I Adriana Chow Haidar 770.657.0/1 JEIF I
Prof.Ed. Inf..Fund.I Eliete Santana L. Silva 794.352.1/1 JEIF I
Prof.Ed. Inf..Fund.I Gisele Rosalen dos Santos 780.557.8/1 JEIF I
Prof.Ed. Inf..Fund.I Valéria Aparecida de Souza 722.969.1/1 JEIF I
Prof.. Fund II e Méd. História Enio Tadeu de Freitas 724.869.5/1 JEIF I
Prof. Fund II e Méd. Matemática Fernanda Crisitina Silva 778.390.6/1 JEIF I
Prof..Fund.II e Med. Geografia José Celso Righi 715.975.7/1 JEIF I
Prof..Fund.II e Med. Ciências Rosemeire Gomes 725.435.1/1 JEIF II
Prof..Fund.II e Med. Geografia Pedro José Domingues 666.327.3/1 JEIF II
Prof..Fund.II e Med. Matematica Delma Botter Borba Leme 720.612.7/1 JEIF II
Prof. Fund II e Méd. Inglês Prescilia Guilhermina Bento 781.107.1/1 JEIF II
Prof.Ed. Inf..Fund.I Vera Lúcia Barros Campestre 620.435.0/1 JEIF II
Prof.Ed. Inf..Fund.I Margarete Contabili 695.417.1/1 JEIF III
Prof.Ed. Inf..Fund.I Égle Vaitekaites Callegari 720.942.8/1 JBD 4 III
Prof.Ed. Inf..Fund.I Mª Aparecida Reginato Viana 695.576.2/2 JBD 4 III
Prof..Fund.II e Med. Ed. Fícia Renato Donisete Pinto 721.166.0/1 JEIF III
Prof..Fund.II e Med. Artes Marcos Medeiros Dantas 772.0840/1 JEIF III
Prof.Ed. Inf..Fund.I Maria Helena Muniz 523.173.6/4 J 40
Prof..Fund.II e Med. Matematica Rosemeire Schimidt 692.755.6/1 J 40
III – Objetivos IV– Resultados esperados / Metas
– Articular toda a comunidade escolar através dos roteiros de estudo elaborados pelos professores com assessoria do CENPEC 

– Reconhecer  os objetivos comuns P.P.P.  e se reconhecer enquanto seres humanos capazes de tomar decisões e construir conhecimentos individual e coletivamente, bem como a construção de situações de aprendizagem.

– Desenvolver integração entre  as áreas do saber, através da apropriação dos referenciais curriculares, dos cadernos de apoio de SME, dos livros didáticos, do portal do Clickideia e da assessoria do CENPEC, tendo o objetivo de requalificar os roteiros de estudos.

– Concretizar uma efetiva diversificação das aprendizagens tendo por referência uma política de direitos humanos que garantia  as mesmas oportunidades educacionais e de realização pessoal para todos, levando em consideração os saberes dos alunos e da comunidade na construção de uma ética baseada nos princípios do P.P.P, da cultura da Paz, de uma educação socioambiental no Projeto Heliópolis: Bairro Educador”.

– Trabalhar as relações entre os professores para em torno de uma mesma questão realizar diferentes abordagens, participando coletivamente e promovendo um conhecimento que não seja fragmentado, mas relacionado com as diferentes áreas do conhecimento.

– Propiciar debates em que professores das diferentes disciplinas discutam as práticas de linguagem mais apropriadas para a formação de leitores e escritores competentes, levando em consideração a realidade global e local que serve como ponto de partida.

– Vivenciar a autonomia, a responsabilidade e a solidariedade enquanto equipe docente,  favorecendo a qualidade dos roteiros, das  intervenções pedagógicas nos salões, das aulas de orientação e da correção interativa/coletiva dos roteiros, favorecendo a qualidade nas relações das equipes de alunos na vivência dos princípios, bem como na qualidade das relações professor-aluno.

– Efetivar as reuniões de monitoria

–  Que os professores possam realizar intervenções de forma interdisciplinar. 

–  Superação de dificuldades que comprometem a qualidade da aprendizagem das crianças, jovens e adultos.

– Superação da fragmentação teoria / prática entre as áreas do conhecimento

– Que  os professores  ampliem a efetiva participação das  comissões mediadoras de alunos na resolução de conflitos, sejam eles de relacionamento ou na reflexão entorno dos conteúdos atitudinais.

– Trabalho em equipe por parte dos professores, alunos e demais segmentos, na construção de uma aprendizagem significativa, de um currículo contextualizado.

– Ampliação  de uma consciência , reflexiva e transformadora que condiz com  a construção do  projeto coletivo com compromisso social, que venham ao encontro das  necessidades dos alunos, da comunidade/escola onde o aprender vai além do ler e do escrever , com uma visão crítica da realidade, com uma atitude transformadora que favorece uma vivência pedagógica transformadora e libertadora

– Que os professores  através dos roteiros de estudos, das intervenções pedagógicas e da relação professor-aluno, garantam  o direito de aprender a ler e a escrever na escola, não apenas como condição indispensável para adquirirem os conhecimentos de todas as áreas, mas também, para ter acesso à cultura letrada e à plena participação social.

– Ampliar a formação  de vínculos entre professores e alunos. Garantir um  acompanhamento, por parte dos professores, aos alunos em suas dificuldades diárias em relação a procedimentos, aos possíveis conflitos de relacionamento com a equipe e com professores, a responsabilidade com as tarefas, ao respeito às regras e combinados, e a apropriação e vivência do projeto pedagógico da escola.

 

V – PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

1 – Identificação dos aspectos relevantes: 

– Maior integração e articulação entre as áreas do conhecimento e as disciplinas, garantindo qualidade na produção dos roteiros.

– Vivenciar os dispositivos pedagógicos, articulando os cincos princípios (Tudo passa pela Educação, A escola como centro de liderança, Solidariedade, Responsabilidade e Autonomia).

2 – Sistematização: 

O planejamento será construído no coletivo, articulando toda a comunidade escolar através dos roteiros de estudo elaborados pelos professores, com a organização das disciplinas agrupadas em áreas de conhecimento, sendo assessorado pelo CENPEC,  garantindo os conteúdos curriculares o compromisso com o ler e escrever. Através da reflexão, discussão e embasamento teórico da prática, considerando as expectativas de aprendizagem propostas por SME, e também  os saberes e necessidades da comunidade e a inclusão da escola no mundo e este na escola.

3 – Alternativas de solução: 

Além da proposição deste projeto no que se refere à intervenção na prática educativa, integração profunda entre as ações propostas pela escola em seu projeto político pedagógico, a realidade social/comunidade e da escola articulando essas ações  Projetos e Parcerias a saber : Caminhada da Paz, Mostra Cultural, Projeto de recuperação contínua, Projeto de recuperação paralela, SAP, Projeto de Vôlei, Projeto com a Escola Judaica Peretz, Projeto em parceria com a UNAS , com o CENPEC, CLICKIDEIA

4 – Implementação da proposta: 

Trabalhar as práticas pedagógicas que envolvam a aprendizagem da leitura e da escrita a partir da idéia interdisciplinar buscando alternativas  para conhecer mais e melhor, discutindo coletivamente seus problemas, suas possibilidades de solução, com atitude de reciprocidade que impele à troca, ao diálogo com seus pares, assumindo desafios diante do novo, de redimensionar o velho e tendo atitude de envolvimento e comprometimento com os projeto e pessoas neles implicados, de forma participativa e  responsável  para consecução dos objetivos estabelecidos,  influenciando na aprendizagem dos alunos, e constituindo-se, de fato, em uma fonte de múltiplas aprendizagens para todos os que dela participam.

5 – Avaliação : 

A partir de acompanhamento e avaliação contínua por parte dos professores, equipe técnica e conselho de escola, visando à superação das dificuldades percebidas na concretização do Projeto.

A prioridade será a transformação das práticas educativas, repensando o aluno como um ser integral, completo, capaz de tomar decisões e de se organizar para aprender de forma individual e coletiva, e capaz de desenvolver as habilidades necessárias para adquirir a competência leitora e escritora.

VI – Descrição das fases / etapas

VII – Avaliação, periodicidade, indicadores e instrumentos.

1)-CRONOGRAMA 

O Projeto será desenvolvido em três grupos distintos, de 22/02 a 15/12/2011, em 4h/a semanais; divididas em 2h/a com leitura e discussão de textos e 2/h/a para apresentar por área de conhecimento propostas e encaminhamentos, conforme segue:

Grupo I : 3ªs e 5ªs feiras – das 12:05 às 13:35 sendo :

– formação teórica

– análise de dados, discussão, reflexão e encaminhamentos da prática.

Grupo II : 3ªs e 5ªs feiras – das 17:15 às 18:45 sendo:

– formação teórica

– análise de dados, discussão, reflexão e encaminhamentos da prática.

Grupo III : 3ªs e 5ªs feiras – das 18:45 às 20:15 sendo:

– formação teórica

– análise de dados, discussão, reflexão e encaminhamentos da prática.

2)- EXECUÇÃO

a)-  Planejamento e organização

– Discussão sobre a bibliografia.

– Discussão sobre os temas a serem desenvolvidos.

– Definição dos dias, horários e participantes do

projeto.

b)-  Desenvolvimento do Projeto ao longo do ano :

– Aproximar a teoria da prática através de leituras e discussões de textos selecionados e escolhidos (pelo coletivo) – dinâmicas envolvendo os participantes.

– Utilização de vídeos que venham enriquecer e complementar a realização do projeto.

–  Trocas de  experiências, e professores agrupados por área de conhecimento  discutirão sobre os problemas, objetivos, propostas de possíveis soluções e os encaminhamentos necessários.

1)- PERIODICIDADE 

Contínua: pelos participantes do PEA e equipe técnica, Supervisor Escolar e, bimestralmente,  considerando os indicadores e instrumentos dispostos nos itens 2 e 3.

Final : No mês de dezembro, pelos participantes, mediante acompanhamento das transformações da prática pedagógica no sentido das concepções incorporadas e  do currículo com vistas a promover a participação, emancipação e inclusão, e , portanto contribuir para o desenvolvimento da cidadania.

2)- INDICADORES PARA AVALIAÇÃO DO PROCESSO E AFERIÇÃO DOS RESULTADOS

Conforme metas estabelecidas no item IV e as metas estabelecidas para a U.E.

3)- INTRUMENTOS PARA AVALIAÇÃO DO PROCESSO E AFERIÇÃO DOS RESULTADOS

– Ficha síntese de acompanhamento individual contendo freqüência expressa dos participantes, expressa em percentual final.

– Ficha de avaliação individual e coletivo dos participantes do PEA/Equipe técnica e Supervisor Escolar, coletivamente e pelo Conselho  de Escola.

– Registro das sínteses das discussões tendo como base o

referencial teórico estudado.

VIII – Referências bibliográficas

– “Pressupostos do Bairro Educador” 

– Filme: “Heliópolis: Bairro Educador”.

– P.P.P “EMEF. PRES. CAMPOS SALLES”.

– Trabalho de Conclusão de Curso do Profº  Braz Rodrigues Nogueira.

– Material subsidiado pelo curso “Fazer a Ponte, oferecido pela Escola da Ponte (Portugal).

– ALVES, R. A alegria de ensinar. 6 ed. São Paulo: Ars Poética, 1994.

– ALVES, R. Histórias de quem gosta de ensinar

– FREIRE, M. O sentido da aprendizagem. In: Paixão de aprender. Petrópolis, R.J.: Vozes, 1992.

– FREIRE, P. Conscientização. Teoria e prática da libertação. Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes, 1980.

-PACHECO, José. (2000) Quando eu for grande, quero ir à Primavera. Ed. Didática Suplegraf.

– PACHECO, José. (2003) Sózinhos na Escola. Ed. Didática Suplegraf.

– PACHECO, José. (2006) Caminhos para a Inclusão, Artmed Editora.

-PACHECO, José. (2008) Escola da Ponte, Vozes Editora.

– VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

– WEISZ, T. O diálogo entre o ensino e aprendizagem. São Paulo: Ática, 1999.

– GROSSI, E. P. Relacionamento entre professor e aluno. Mimeo, 1994

-Textos variados de jornais, revistas, fitas de vídeo, palestras, material de SME – DOT e dinâmicas.

– Orientações Gerais para o Ensino de Língua Portuguesa e de Matemática no Ciclo I. Diretoria de Orientação Técnica – SME – SP. 

–  Referencial de Expectativas para o desenvolvimento da Competência Leitora e Escritora no Ciclo II do Ensino Fundamental.

– Orientações Curriculares – Proposição de Expectativas de Aprendizagem (Ciclo I, II e EJA)

IX – Parecer da Equipe Técnica: 

Esta equipe é favorável ao Projeto “Cidadania uma questão de sobrevivência Fase I”, considerando a capacidade das crianças, jovens, adultos e toda equipe docente e técnica que compõem a comunidade escolar e principalmente os saberes e valores de que são portadores e outros que poderão construir juntos. 

O Projeto poderá em muito contribuir para o desenvolvimento de habilidades e competências para o trabalho em equipe, uma vez que pode provocar reflexões, transformações em concepções e práticas pedagógicas, superando a fragmentação entre teoria e prática e entre as áreas do conhecimento, através de estudos teóricos e de ferramentas que virão contribuir com metodologias e didáticas inovadoras a favor dos roteiros de estudos, na organização, e na qualidade das aulas de orientação dos roteiros.

O Projeto visa focar a prática da escola na reflexão e na proposta de soluções para problemas da comunidade, relacionando ao ecossistema global e aprimorando as relações das pessoas entre si e com o meio ambiente, propiciando uma cultura de PAZ.

Sendo assim, este Projeto de Ação vem contribuir com a formação continuada dos professores na direção da concretização de nosso Projeto Pedagógico.

Data ____/___/_______                                Data ____/___/_______                                           Data ____/___/_______                       Data ____/___/_______

______________________________                   __________________________________                          ______________________________          __________________________________

Coordenador Pedagógico                       Coordenador Pedagógico                         Assistente de Diretor de Escola           Assistente de Diretor de Escola

Carimbo e assinatura                              Carimbo e assinatura                                   Carimbo e assinatura                             Carimbo e assinatura

___________________________________________

Diretor de Escola

Carimbo e assinatura

X-Parecer do Supervisor Escolar :         PEA“  Cidadania uma questão de sobrevivência Fase I”
Nº suficiente de envolvidos: 

(  ) sim                          (   ) não

Coerência dos objetivos e metas do PEA com as prioridades estabelecidas  no Projeto Pedagógico da U.E

(  ) sim                          (   ) não

Adequação entre a carga horária proposta e as características do PEA.

(  ) sim                          (   ) não

Conexão entre a  bibliografia apresentada e a proposta .

(  ) sim                          (   ) não

Consonância com a Portaria de Organização das UEs. Publicada anualmente em DOC :

(   ) sim                          (   ) não

_________________________________                                                      ­­­­­­­­­­­­­­­­­

Supervisor Escolar

XI- Despacho de autorização do Supervisor Escolar:
À vista do parecer e  do despacho de autorização da Supervisão Escolar e de acordo com as disposições da Portaria 4.057/06, 

HOMOLOGO o presente Projeto Especial de Ação.

São Paulo, _____ de ___________ de 2011.

­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­_______________________________________

Supervisor Escolar

XII – Homologação do(a) Diretor(a) Regional de Educação: 

À vista do parecer e do despacho de autorização do Supervisor Escolar e de acordo com as disposições da Portaria 1.566 / 08, HOMOLOGO o presente Projeto Especial de Ação.

São Paulo,______de______________________de 2011

____________________________

Diretor(a)

Diretoria Regional de Educação – Ipiranga



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s