ROTEIRO DE ESTUDO E A REORGANIZAÇÃO DO TEMPO E DO ESPAÇO

Os roteiros de estudo serão elaborados pelos professores, sob a supervisão da coordenação pedagógica e direção, levando-se em consideração: as expectativas de aprendizagem propostas pela Secretaria Municipal de Educação, os saberes e necessidades da comunidade e a inclusão da escola no mundo e este na escola.

Os roteiros de estudo têm como principal objetivo articular toda a comunidade escolar e exige, portanto, responsabilidade e trabalho em equipe por parte de todos os segmentos envolvidos.

Quanto aos professores, os roteiros de estudo visam articular as áreas do conhecimento e as disciplinas, assim como também, a transformação dos mesmos em professores polivalentes, ou seja, com o exercitar contínuo todos terão o conhecimento do currículo do Ensino Fundamental da EMEF. Pres. Campos Salles, independentemente do Nível de Ensino ou de suas disciplinas.

Quanto aos alunos, os roteiros de estudo visam o desenvolvimento da competência de trabalhar em equipe e o exercício da autonomia.

L Organização do espaço: salão de estudos e sala de orientação dos roteiros

No momento, a EMEF. Pres. Campos Salles conta com quatro salões de estudos, onde se reúnem todos os alunos da mesma série. Quinzenalmente os alunos recebem um novo roteiro de estudo. Em nenhuma hipótese haverá mais que um roteiro da mesma disciplina no mesmo salão. O roteiro de estudo será composto por atividades obrigatórias e atividades opcionais para que em nenhum momento o aluno possa justificar a sua ociosidade dizendo que já acabou. O encerramento do roteiro depende da decisão dos professores e não dos alunos e ele se dará quando as atividades obrigatórias de cada disciplina estejam terminadas. É tarefa de todos os professores envidar esforços para que isso aconteça.

As resoluções das atividades obrigatórias e opcionais propostas pelo roteiro serão feitas em grupo pelos alunos. Primeiramente eles farão as atividades obrigatórias e após estas farão então as atividades opcionais. Cada aluno pertencerá a um grupo com no máximo quatro alunos.

Cada grupo de alunos, e não cada indivíduo, tem autonomia para decidir por qual disciplina começar. No salão de estudos o professor exercerá a atividade de professor orientador, portanto, não haverá aula expositiva e o professor extrapolará a sua disciplina. Na dúvida, os alunos deverão recorrer primeiramente aos colegas de grupo, não obtendo a ajuda necessária deverá levantar a mão para que o professor disponível se aproxime para esclarecê-lo. Caso o professor não consiga esclarecê-lo, deverá pedir para o mesmo anotá-la e esclarecê-la com o professor especialista da disciplina logo que encontrá-lo.

Atualmente a EMEF. Pres. Campos Salles possui três salas de orientação de roteiros mais a sala de vídeo. Na sala de orientação de roteiros o professor dará orientações específicas da sua disciplina, para as turmas/classes que lhe foram atribuídas, com o intuito de possibilitar ao aluno a autonomia necessária para a resolução das atividades propostas nos roteiros juntamente com seus colegas de grupo. Portanto, a participação do aluno não é opcional, ou seja, todos os alunos da turma/classe deverão acompanhar o seu professor até a sala de orientação de roteiros. Tal controle será da responsabilidade de cada professor. Diante da recusa do aluno o professor deverá comunicar a coordenação pedagógica ou direção.

Os professores de português e professores de matemática terão um maior número de aulas nas salas de orientação de roteiros, caso seja necessário.

As salas de orientação de roteiros serão também utilizadas, tanto no Nível I como no Nível II, com os alunos que apresentarem maiores dificuldades na leitura e na escrita. Os professores do salão de estudos, de comum acordo deverão indicar um colega que se responsabilizará pelas atividades com estes alunos.

2. Sala de leitura, laboratório de informática e quadra de esportes

As atividades dos POSLs, dos POIEs e Professores de Educação Física extrapolam os seus respectivos espaços, ou seja, a sala de leitura, o laboratório de informática e a quadra de esportes. Suas atividades farão parte dos roteiros de estudo e parte de sua jornada de trabalho será realizada nos salões juntamente com os outros professores.

3. Outros espaços educadores

O aluno não aprende só no interior da escola: salão de estudos, sala de orientação de roteiros, sala de leitura, sala de informática e quadra de esportes. Ele aprende em qualquer espaço de sua comunidade, de sua cidade, etc… Cabe à escola ajudá-lo a aprender continuamente em qualquer lugar, contribuindo assim, para a construção do bairro educador em Heliópolis, onde todos ensinam e aprendem e organizam-se para a efetivação dos direitos de todas as pessoas.

4. Comissão mediadora de alunos

Será constituída, através de eleição, uma comissão de alunos com aproximadamente dez indivíduos, em cada salão. Esta comissão não será “disciplinadora” de seus pares dentro do salão de estudos e da sala de orientação de roteiros. O seu principal instrumento de trabalho será o permanente diálogo com todos os segmentos da comunidade escolar. Seu principal objetivo é ser ponte. Ponte entre: alunos – alunos, alunos – professores, alunos – pais, alunos -direção/coordenação pedagógica e alunos – comunidade. Sendo assim, os alunos estarão ajudando na sua organização e na organização da escola em geral, para que haja um clima cada vez mais favorável para o desenvolvimento de todas as atividades escolares.

Contribuir para que os alunos conquistem uma autonomia, cada vez maior, será tarefa de todos os trabalhadores da escola e o reconhecimento por parte destes de que o aluno é um ser competente. Competente para tomar decisões, competente para organizar-se individual e coletivamente para aprender e viver e é também portador de conhecimentos.

Cabem aos professores e demais funcionários incentivar, preparar e acompanhar as assembléias de alunos, tanto as de cada salão, assim como também, as assembléias gerais. Este exercício fará da escola, no futuro, uma república de alunos autônomos, responsáveis, solidários e democráticos.

Entre as funções que os alunos das comissões mediadoras acumulam encontra-se também a de apresentar a escola e o seu projeto para os visitantes.

São Paulo, 02/02/09.

EMEF. Pres. Campos Salles

2 respostas para ROTEIRO DE ESTUDO E A REORGANIZAÇÃO DO TEMPO E DO ESPAÇO

  1. Maria Duarte disse:

    Gostaria que algum aluno que faça parte da comissão mediadora escrevesse contando um pouco de suas experiências enquanto mediador e, o que essas experiências lhe acrescentou na vida pessoal. Um abraço

  2. Estive na escola em novembro de 2011 e fiquei encantada com a profunda mudança que vocês estão construindo em relação ao paradigma tradicional da educação. Parabéns! Força e coragem para seguir em frente!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s